A INDÚSTRIA CULTURAL: O ILUMINISMO COMO MISTIFICAÇÃO DE MASSAS – MAX HORKHEIMER E THEODOR ADORNO

Territórios de Filosofia

A INDÚSTRIA CULTURAL: O ILUMINISMO COMO MISTIFICAÇÃO DE MASSAS.

MAX HORKHEIMER E THEODOR ADORNO.*

A tese sociológica de que a perda de apoio na religião objetiva, a dissolução dos últimos resíduos pré-capitalistas, a diferenciação técnica e social e a extrema especialização, deram lugar a um caos cultural é cotidianamente desmentida pelos fatos. A civilização atual a tudo confere um ar de semelhança. Filmes, rádio e semanários constituem um sistema. Cada setor se harmoniza em si e todos entre si. As manifestações estéticas, mesmo a dos antagonistas políticos, celebram da mesma forma o elogio do ritmo do aço. As sedes decorativas das administrações e das amostras industriais são pouco diferentes nos países autoritários e nos outros. Os palácios colossais que surgem de todas as partes representam a pura racionalidade sem sentido dos grandes cartéis internacionais a que já tendia a livre iniciativa desenfreada, que tem, no entanto, os seus monumentos nos…

Ver o post original 18.380 mais palavras

O Silmarillion – esperança e resistência em meio às trevas

por Priscilla Melo Ribeiro de Lima O Silmarillion, escrito por Tolkien e publicado após sua morte, traz em seu escopo diversas histórias que vão se entranhando e se articulando. Desde o relato da criação da Terra por Ilúvatar, até sua quase completa devastação promovida por Melkor/Morgoth. Nessa saga dos primórdios da criação do mundo e … Continue lendo O Silmarillion – esperança e resistência em meio às trevas

Eu

por Florbela Espanca Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho, e desta sorte Sou a crucificada... a dolorida... Sombra de névoa tênue e esvaecida, E que o destino amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto … Continue lendo Eu

De que são feitos os dias?

por Cecília Meireles De que são feitos os dias? - De pequenos desejos, vagarosas saudades, silenciosas lembranças. Entre mágoas sombrias, momentâneos lampejos: vagas felicidades, inatuais esperanças. De loucuras, de crimes, de pecados, de glórias, - do medo que encadeia todas essas mudanças. Dentro deles vivemos, dentro deles choramos, em duros desenlaces e em sinistras alianças... … Continue lendo De que são feitos os dias?