TABACARIA

por Álvaro de Campos Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. Janelas do meu quarto, Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é (E se soubessem quem é, o que saberiam?), Dais para o … Continue lendo TABACARIA

Eu

por Florbela Espanca Eu sou a que no mundo anda perdida, Eu sou a que na vida não tem norte, Sou a irmã do Sonho, e desta sorte Sou a crucificada... a dolorida... Sombra de névoa tênue e esvaecida, E que o destino amargo, triste e forte, Impele brutalmente para a morte! Alma de luto … Continue lendo Eu

O operário em construção

por Vinicius de Moraes E o Diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo. E disse-lhe o Diabo: - Dar-te-ei todo este poder e a sua glória, porque a mim me foi entregue e dou-o a quem quero; portanto, se tu me adorares, tudo será teu. E … Continue lendo O operário em construção

Pra não dizer que não falei das flores

por Geraldo Vandré Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Nas escolas, nas ruas Campos, construções Caminhando e cantando E seguindo a canção Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Pelos campos há fome Em grandes plantações Pelas ruas … Continue lendo Pra não dizer que não falei das flores

Apesar de você

por Chico Buarque Hoje você é quem manda Falou, tá falado Não tem discussão, não A minha gente hoje anda Falando de lado E olhando pro chão, viu Você que inventou esse estado E inventou de inventar Toda a escuridão Você que inventou o pecado Esqueceu-se de inventar O perdão Apesar de você Amanhã há … Continue lendo Apesar de você

De que são feitos os dias?

por Cecília Meireles De que são feitos os dias? - De pequenos desejos, vagarosas saudades, silenciosas lembranças. Entre mágoas sombrias, momentâneos lampejos: vagas felicidades, inatuais esperanças. De loucuras, de crimes, de pecados, de glórias, - do medo que encadeia todas essas mudanças. Dentro deles vivemos, dentro deles choramos, em duros desenlaces e em sinistras alianças... … Continue lendo De que são feitos os dias?

Elogio da sombra

por Jorge Luis Borges A velhice (tal é o nome que os outros lhe dão) pode ser o tempo de nossa felicidade. O animal morreu ou quase morreu. Restam o homem e sua alma. Vivo entre formas luminosas e vagas que não são ainda a escuridão. Buenos Aires, que antes se espalhava em subúrbios em … Continue lendo Elogio da sombra

Retrato de família

por Carlos Drummond de Andrade   Este retrato de família está um tanto empoeirado. Já não se vê no rosto do pai quanto dinheiro ele ganhou. Nas mãos dos tios não se percebem as viagens que ambos fizeram. A avó ficou lisa e amarela, sem memórias da monarquia. Os meninos, como estão mudados. O rosto … Continue lendo Retrato de família

O outro

por Jorge Luis Borges O fato ocorreu no mês de fevereiro de 1969, ao norte de Boston, em Cambridge. Não o escrevi imediatamente, porque meu primeiro propósito foi esquecê-lo para não perder a razão. Agora, em 1972, penso que, se o escrevo, os outros o lerão como um conto e, com os anos, o será … Continue lendo O outro

O velho

por Chico Buarque (1968) O velho sem conselhos De joelhos De partida Carrega com certeza Todo o peso Da sua vida Então eu lhe pergunto pelo amor A vida inteira, diz que se guardou Do carnaval, da brincadeira Que ele não brincou Me diga agora O que é que eu digo ao povo O que … Continue lendo O velho